Pular para o conteúdo principal

Tributos indiretos oneram os mais pobres

Metade incide sobre consumo; esse é o cerne da injustiça fiscal no País, dizem tributaristas.

Ao comprar uma camisa por R$ 250,51 em uma loja, um brasileiro que ganha um salário mínimo paga R$ 80,51 em impostos embutidos no valor do produto - ou 11% da sua renda mensal. Outro consumidor, com salário de R$ 7.240 (ou dez mínimos), paga os mesmos R$ 80,51 em tributos, o que representa apenas 1,1% dos seus ganhos.

Nesse modelo regressivo, que constitui a base do sistema tributário brasileiro, quem ganha menos paga mais. Os efeitos, alertam os especialistas, são extremamente nocivos aos mais pobres, que têm a renda corroída, e também à indústria, que perde competitividade com os altos preços dos produtos - inflados pelos impostos.

Em uma simulação simplificada - criada pelo professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Fernando Zilveti -, a camisa sai da fábrica com o valor de R$ 120, chega ao varejo a R$ 214,95 (após a incidência de tributos e já com a margem de lucro do comerciante) e, finalmente, vai para as lojas, depois de mais impostos, por R$ 250,51. Do preço final, portanto, uma fatia de 32,14% (ou R$ 80,51) é apenas tributação.

No Brasil, metade (49,7%) da carga tributária incide exatamente sobre o consumo de bens e serviços, segundo os últimos dados divulgados pela Receita Federal, referentes a 2012. São os chamados impostos indiretos, que ajudam a encarecer a conta de luz e gás, alimentos, vestuários, computadores e assim por diante. 

Na sequência da lista de arrecadação, aparecem os encargos sobre a folha de pagamentos das empresas, que representam 26,5% do total. E apenas em terceiro lugar estão os tributos diretos - que recaem sobre renda, lucro e ganho de capital - com 17,8%. Já as taxas sobre a propriedade representam 3,8% do valor arrecadado no País.

"É o sistema tributário mais nocivo que se pode imaginar, pois tira muito de quem tem pouco", afirma Zilveti. A mesma lógica da camisa vale para a carne, por exemplo. Apesar das desonerações da cesta básica, 7,4% do preço desse alimento ainda é formado por impostos. Já no caso dos itens importados, a tributação é ainda mais pesada, o que ajuda a aumentar o custo de vida do brasileiro.

Um notebook que vem do exterior, segundo a simulação do professor da FGV, chega ao País por R$ 1 mil e termina nas prateleiras das lojas quase quatro vezes mais caro: por R$ 3.986,96. Nesse valor final, estão os tributos nas diversas cadeias (que representam 49,8% do preço) e as margens de lucro estimadas da importadora e do varejista.

Nos países desenvolvidos, a divisão tributária costuma ser a oposta, como mostram dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Nos Estados Unidos, por exemplo, os impostos indiretos respondem por 17,9% da arrecadação, enquanto que os diretos (sobre renda, lucro e ganho de capital) somam 47,7%. Na Noruega - onde o sistema é considerado modelo em relação à distribuição de renda -, a divisão é de 26,4% e 48%, respectivamente.

"Se quer distribuir renda, o governo tem de fazer uma reforma e tornar o modelo mais progressivo", afirma Gil Mendes, sócio de impostos da consultoria EY (antiga Ernest & Young). Segundo os especialistas ouvidos pelo Estado, o redesenho do sistema deveria levar em conta uma tributação mais pesada sobre a renda e um pouco maior sobre o patrimônio (mas informações na pág. H8), reduzindo fortemente o peso sobre o consumo.

Competitividade. Pela ótica da produção, os tributos indiretos minam a competitividade das empresas e encarecem o investimento, dificultando o crescimento do País. "O produto brasileiro fica mais caro, pois está cheio de impostos. E o setor industrial é o principal prejudicado, sobretudo a indústria de transformação, que não consegue competir e exporta menos", explica Simão Silber, professor do Departamento de Economia da USP.

Além disso, afirma Silber, como se tributa tudo, os impostos acabam incidindo também sobre máquinas e materiais de construção. Logo, o investimento fica mais caro e se investe menos. "Outra consequência é que as empresas precisam ter mais capital de giro, já que é comum ter de pagar o imposto antes mesmo de receber pela mercadoria", diz Silber.

A discussão sobre os impostos indiretos tem como origem a Constituição de 1988. O texto aprovado pela Assembleia Nacional Constituinte promoveu a descentralização dos recursos do governo federal para Estados e municípios, que passaram a ficar com praticamente metade do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Mas as despesas federais continuaram crescendo e a conta passou a não fechar.

A União começou, então, a criar as contribuições, pois assim não teria de dividir a arrecadação. Hoje são cobradas cerca de 20 contribuições - a maior parte incide sobre o consumo.

Bianca Pinto Lima - O Estado de S.Paulo

Fonte: O Estado de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…